O Questões Grátis disponibiliza mais de 600 MIL questões, de forma GRATUITA e SEM LIMITAÇÕES.

Instale o App Questões Grátis e estude melhor! No App você pode salvar os filtros, gerar estatísticas, e muito mais. Os botões para baixar o App se encontram no topo do site.

Logo abaixo você encontra milhares de questões. Para refinar sua busca, aplique os filtros desejados (buscar por disciplina, banca, cargo, ano...). Caso deseje excluir os filtros, clique em “Limpar Filtro”.

Para estudar, aplique os FILTROS abaixo:

INSTRUÇÃO: As questões de 01 a 09 devem ser respondidas com

base no texto 1. Leia-o atentamente, antes de responder a todas

essas questões.


Texto 1

A arte de envelhecer

Dráuzio Varella

[1º§]Achei que estava bem na foto. Magro, olhar vivo, rindo

com os amigos na praia. Quase não havia cabelos brancos entre

os poucos que sobreviviam. Comparada ao homem de hoje, era a

fotografia de um jovem. Tinha 50 anos naquela época, entretanto,

idade em que me considerava bem distante da juventude. Se

me for dado o privilégio de chegar aos 90 em pleno domínio da

razão, é possível que uma imagem de agora me cause impressão

semelhante.

[2º§]O envelhecimento é sombra que nos acompanha desde a

concepção: o feto de seis meses é muito mais velho do que o embrião

de cinco dias. Lidar com a inexorabilidade desse processo

exige uma habilidade na qual nós somos inigualáveis: a adapta-

ção. Não há animal capaz de criar soluções diante da adversidade

como nós, de sobreviver em nichos ecológicos que vão do calor

tropical às geleiras do Ártico.

[3º§]Da mesma forma como ensaiamos os primeiros passos

por imitação, temos de aprender a ser adolescentes, adultos e a

ficar cada vez mais velhos. A adolescência é um fenômeno moderno.

Nossos ancestrais passavam da infância à vida adulta sem

estágios intermediários. Nas comunidades agrárias, o menino de

sete anos trabalhava na roça e as meninas cuidavam dos afazeres

domésticos antes de chegar a essa idade.

[4º§]A figura do adolescente que mora com os pais até os 30

anos, sem abrir mão do direito de reclamar da comida à mesa e

da camisa mal passada, surgiu nas sociedades industrializadas

depois da Segunda Guerra Mundial. Bem mais cedo, nossos avós

tinham filhos para criar.

[5º§]A exaltação da juventude como o período áureo da existência

humana é um mito das sociedades ocidentais. Confinar

aos jovens a publicidade dos bens de consumo, exaltar a estética,

os costumes e os padrões de comportamento característicos

dessa faixa etária tem o efeito perverso de insinuar que o declínio

começa assim que essa fase se aproxima do fim.

[6º§]A ideia de envelhecer aflige mulheres e homens modernos,

muito mais do que afligia nossos antepassados. Sócrates

tomou cicuta aos 70 anos, Cícero foi assassinado aos 63, Matusalém

sabe-se lá quantos anos teve, mas seus contemporâneos

gregos, romanos ou judeus viviam em média 30 anos. No início

do século 20, a expectativa de vida ao nascer nos países da Europa

mais desenvolvida não passava dos 40 anos.

[7º§]A mortalidade infantil era altíssima; epidemias de peste

negra, varíola, malária, febre amarela, gripe e tuberculose dizimavam

populações inteiras. Nossos ancestrais viveram num

mundo devastado por guerras, enfermidades infecciosas, escravidão,

dores sem analgesia e a onipresença da mais temível das

criaturas. Que sentido haveria em pensar na velhice quando a

probabilidade de morrer jovem era tão alta? Seria como hoje preocupar-nos

com a vida aos cem anos de idade, que pouquíssimos conhecerão.

[8º§]Os que estão vivos agora têm boa chance de passar dos

80. Se assim for, é preciso sabedoria para aceitar que nossos atributos

se modificam com o passar dos anos. Que nenhuma cirurgia

devolverá aos 60 o rosto que tínhamos aos 18, mas que

envelhecer não é sinônimo de decadência física para aqueles que

se movimentam, não fumam, comem com parcimônia, exercitam

a cognição e continuam atentos às transformações do mundo.

[9º§]Considerar a vida um vale de lágrimas no qual submergimos

de corpo e alma ao deixar a juventude é torná-la experiência

medíocre. Julgar, aos 80 anos, que os melhores foram aqueles

dos 15 aos 25 é não levar em conta que a memória é editora

autoritária, capaz de suprimir por conta própria as experiências

traumáticas e relegar ao esquecimento inseguranças, medos, desilusões

afetivas, riscos desnecessários e as burradas que fizemos

nessa época. Nada mais ofensivo para o velho do que dizer que

ele tem "cabeça de jovem". É considerá-lo mais inadequado do

que o rapaz de 20 anos que se comporta como criança de dez.

[10º§]Ainda que maldigamos o envelhecimento, é ele que nos

traz a aceitação das ambiguidades, das diferenças, do contraditório

e abre espaço para uma diversidade de experiências com as

quais nem sonhávamos anteriormente.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo, 23/01/2016. Texto adaptado.

De acordo com o ponto de vista de Dráuzio Varella, no texto 1, a

velhice é entendida como um

Date: 02/06/2018

"....Se assim for, é preciso sabedoria para aceitar que nossos atributos

se modificam com o passar dos anos. Que nenhuma cirurgia

devolverá aos 60 o rosto que tínhamos aos 18, mas que..."

INSTRUÇÃO: Considere o texto 3, a seguir, para responder às questões

11 a 15.


Texto 3

Ciência e o sentido da vida

Marcelo Gleiser

[1º§]Outro dia, estava dando uma palestra, quando alguém

me fez "aquela" pergunta: professor, por que o senhor é cientista?

Respondi que não podia ser outra coisa, que considerava um

privilégio poder dedicar minha vida ao ensino e à pesquisa. Mas

o que de fato está por trás dessa profissão, ao menos para mim,

é uma oportunidade única para criarmos algo de novo, algo que

nos diferencie do resto.

[2º§]A ciência oferece uma oportunidade para que possamos

nos engajar com o "mistério", como Einstein chamava nossa atra-

ção pelo desconhecido: "A emoção mais significativa que podemos

sentir é o mistério. Ela é o berço da verdadeira arte e da ci-

ência. Quem não a conhece e não é mais capaz de se maravilhar,

está mais morto do que vivo, como uma vela que se apagou".

[3º§]Einstein pôs as artes e as ciências sobre o mesmo patamar,

frutos que são da criatividade humana. Para ele, nossas cria-

ções são produto desse questionamento incessante sobre quem

somos e sobre o mundo à nossa volta.

[4º§]A ciência abre portas para o desconhecido, para o que

nos foge aos sentidos. Aquilo que não vemos ou ouvimos é tão

real quanto o que percebemos. Usamos instrumentos variados

para amplificar nossa percepção da realidade, mesmo sabendo

que nossa visão será sempre limitada: qualquer microscópio, telescópio

ou detector tem alcance e precisão determinados pelo

estado da tecnologia.

[5º§]É claro que um telescópio do século 19 não pode competir

com os telescópios mais avançados de hoje. Com isso, o

que captamos da realidade depende de forma essencial daquilo

que nossos instrumentos nos permitem ver. Esse fato tem uma

consequência importante: o que captamos do mundo depende

das tecnologias que usamos. Ou seja, com o avanço delas, muda,

muitas vezes, nossa visão de mundo.

[6º§]Um exemplo que já usei aqui é o microscópio. A visão da

vida antes e depois da invenção do microscópio mudou completamente.

O instrumento, inventado ao fim do século 17, permitiu que

víssemos criaturas invisíveis aos olhos. Com isso, novas perguntas

sobre a natureza da vida puderam ser feitas – perguntas que, antes

da invenção do microscópio, não eram nem vislumbradas.

[7º§]Esta é uma lição importante, que elaboro no livro "Ilha do

Conhecimento": o conhecimento não evolui linearmente; cresce

de forma imprevisível, interagindo com as tecnologias que temos

ao nosso dispor. Portanto, o mistério que nos cerca, e que tanto

fascinava Einstein, estará sempre à nossa volta: não há como decifrá-lo

por completo. Isso dá uma conotação única à ciência. Sendo

um caminho para o conhecimento, ela nos oferece uma oportunidade

de estar sempre buscando, e crescendo com a busca.

[8º§]O sentido da vida é dar sentido à vida. Não existe, ou deve

existir, um fim. Pense num alpinista. Ele se prepara para subir o

pico que vê à sua frente e, depois de muito esforço, consegue. De

lá de cima, pode fazer duas coisas: se dar por satisfeito e descer,

ou olhar em torno e ver todos os picos que ainda não escalou.

[9º§]A busca pelo conhecimento científico é assim: uma escalada

por todos os picos que podemos encontrar. E quando conquistarmos

todos eles, basta olhar para cima, e continuar nossa

busca no espaço.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo, 12/10/2014. Texto adaptado.

De acordo com o texto 3, a ciência

Date: 02/06/2018

Alternativa D)

"A ciência oferece uma oportunidade para que possamos

nos engajar com o "mistério", como Einstein chamava nossa atra-

ção pelo desconhecido: "A emoção mais significativa que podemos

sentir é o mistério. Ela é o berço da verdadeira arte e da ciência."

INSTRUÇÃO: Considere o texto 3, a seguir, para responder às questões

11 a 15.


Texto 3

Ciência e o sentido da vida

Marcelo Gleiser

[1º§]Outro dia, estava dando uma palestra, quando alguém

me fez "aquela" pergunta: professor, por que o senhor é cientista?

Respondi que não podia ser outra coisa, que considerava um

privilégio poder dedicar minha vida ao ensino e à pesquisa. Mas

o que de fato está por trás dessa profissão, ao menos para mim,

é uma oportunidade única para criarmos algo de novo, algo que

nos diferencie do resto.

[2º§]A ciência oferece uma oportunidade para que possamos

nos engajar com o "mistério", como Einstein chamava nossa atra-

ção pelo desconhecido: "A emoção mais significativa que podemos

sentir é o mistério. Ela é o berço da verdadeira arte e da ci-

ência. Quem não a conhece e não é mais capaz de se maravilhar,

está mais morto do que vivo, como uma vela que se apagou".

[3º§]Einstein pôs as artes e as ciências sobre o mesmo patamar,

frutos que são da criatividade humana. Para ele, nossas cria-

ções são produto desse questionamento incessante sobre quem

somos e sobre o mundo à nossa volta.

[4º§]A ciência abre portas para o desconhecido, para o que

nos foge aos sentidos. Aquilo que não vemos ou ouvimos é tão

real quanto o que percebemos. Usamos instrumentos variados

para amplificar nossa percepção da realidade, mesmo sabendo

que nossa visão será sempre limitada: qualquer microscópio, telescópio

ou detector tem alcance e precisão determinados pelo

estado da tecnologia.

[5º§]É claro que um telescópio do século 19 não pode competir

com os telescópios mais avançados de hoje. Com isso, o

que captamos da realidade depende de forma essencial daquilo

que nossos instrumentos nos permitem ver. Esse fato tem uma

consequência importante: o que captamos do mundo depende

das tecnologias que usamos. Ou seja, com o avanço delas, muda,

muitas vezes, nossa visão de mundo.

[6º§]Um exemplo que já usei aqui é o microscópio. A visão da

vida antes e depois da invenção do microscópio mudou completamente.

O instrumento, inventado ao fim do século 17, permitiu que

víssemos criaturas invisíveis aos olhos. Com isso, novas perguntas

sobre a natureza da vida puderam ser feitas – perguntas que, antes

da invenção do microscópio, não eram nem vislumbradas.

[7º§]Esta é uma lição importante, que elaboro no livro "Ilha do

Conhecimento": o conhecimento não evolui linearmente; cresce

de forma imprevisível, interagindo com as tecnologias que temos

ao nosso dispor. Portanto, o mistério que nos cerca, e que tanto

fascinava Einstein, estará sempre à nossa volta: não há como decifrá-lo

por completo. Isso dá uma conotação única à ciência. Sendo

um caminho para o conhecimento, ela nos oferece uma oportunidade

de estar sempre buscando, e crescendo com a busca.

[8º§]O sentido da vida é dar sentido à vida. Não existe, ou deve

existir, um fim. Pense num alpinista. Ele se prepara para subir o

pico que vê à sua frente e, depois de muito esforço, consegue. De

lá de cima, pode fazer duas coisas: se dar por satisfeito e descer,

ou olhar em torno e ver todos os picos que ainda não escalou.

[9º§]A busca pelo conhecimento científico é assim: uma escalada

por todos os picos que podemos encontrar. E quando conquistarmos

todos eles, basta olhar para cima, e continuar nossa

busca no espaço.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo, 12/10/2014. Texto adaptado.

Considere este trecho:

2016_08_19_57b7067aa9b5b.PNG

A opção em que se encontra a reescrita desse trecho sem rupturas

de sentido é

Considerando o Decreto n. 1.171/94 (Código de Ética Profissional

do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), são deveres

fundamentais do servidor público:

I.Quando estiver diante de duas opções, escolher a que melhor

atenda os interesses do governo.

II.Facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de

direito.

III.Apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao

exercício da função.

IV.Tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando

o processo de comunicação e o contato com o público.

Estão corretas as afirmativas

Date: 02/06/2018

Seção II - Dos Principais Deveres do Servidor Público

I) c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum;

II) s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de direito;

III) p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função;

IV) e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público;


Date: 02/06/2018
O erro da alternativa I se dá pelo fato que de que, a opção a ser escolhida é a que atenda ao BEM COMUM, não do governo.


c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum;

Gabarito: d

Date: 02/06/2018

I.Quando estiver diante de duas opções, escolher a que melhor

atenda os interesses do governo. - ERRADO

resposta correta:

Seção II

Dos Principais Deveres do Servidor Público

[...]

c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum;


II.Facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de

direito. - CORRETO

III.Apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao

exercício da função. - CORRETO

IV.Tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando

o processo de comunicação e o contato com o público. - CORRETO

Date: 02/06/2018

Considerando o Decreto n. 1.171/94 (Código de Ética Profissional

do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal), são deveres

fundamentais do servidor público:

I.Quando estiver diante de duas opções, escolher a melhor e mais vantajosa ao bem comum.

II.Facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de

direito. CORRETO

III.Apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao

exercício da função. CORRETO

IV.Tratar cuidadosamente os usuários dos serviços, aperfeiçoando

o processo de comunicação e o contato com o público. CORRETO

Date: 02/06/2018

O item I está incorreto:

I.Quando estiver diante de duas opções, escolher a que melhor atenda os interesses do governo públicos.

Date: 02/06/2018

I. Quando estiver diante de duas opções, escolher a que melhor atenda os interesses do governo.

Na questão percebe-se que a alternativa I encontra-se errada. A mesma fala de interesses do governo. Segundo o decreto 1.171/94,

quando estiver diante de duas opções deve-se escolher a melhor e a mais vantajosa para o bem comum e não a mais vantajosa para os interesses do governo.

Veja trecho do decreto 1.171/94

Dos Principais Deveres do Servidor Público

XIV - São deveres fundamentais do servidor público:

c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando toda a integridade do seu caráter, escolhendo sempre, quando estiver diante de duas opções, a melhor e a mais vantajosa para o bem comum;

Date: 02/06/2018

LETRA A É A ÚNICA ERRADA, POIS DEVE ESCOLHER VISANDO A FINS COMUNS.

De acordo com a Lei Federal nº 11.892/2008, os Institutos Federais

I- são instituições de educação superior, básica e profissional,

pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de

educação profissional e tecnológica, nas diferentes modalidades

de ensino, com base na conjugação de conhecimentos

técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas,

nos termos desta Lei.

II- possuem natureza jurídica de empresa pública.

III- ministram educação em nível fundamental, médio e superior.

IV- têm como uma de suas finalidades e características a realiza-

ção e o estímulo à pesquisa aplicada, à produção cultural, ao

empreendedorismo, ao cooperativismo e ao desenvolvimento

científico e tecnológico.

Estão corretas as afirmativas

Date: 02/06/2018

Segundo a Lei 11.892/08

Certo I- são instituições de educação superior, básica e profissional,

pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de

educação profissional e tecnológica, nas diferentes modalidades

de ensino, com base na conjugação de conhecimentos

técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas,

nos termos desta Lei.

Errado II- possuem natureza jurídica de empresa pública.

Errado III- ministram educação em nível fundamental, médio e superior.

Certo IV- têm como uma de suas finalidades e características a realiza-

ção e o estímulo à pesquisa aplicada, à produção cultural, ao

empreendedorismo, ao cooperativismo e ao desenvolvimento

científico e tecnológico.

Estão corretas as afirmativas

Date: 02/06/2018

Segundo a Lei 11.892/80

Correto I- são instituições de educação superior, básica e profissional,

pluricurriculares e multicampi, especializados na oferta de

educação profissional e tecnológica, nas diferentes modalidades

de ensino, com base na conjugação de conhecimentos

técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas,

nos termos desta Lei.

Errado II- possuem natureza jurídica de empresa pública.

Errado III- ministram educação em nível fundamental, médio e superior.

Certo IV- têm como uma de suas finalidades e características a realiza-

ção e o estímulo à pesquisa aplicada, à produção cultural, ao

empreendedorismo, ao cooperativismo e ao desenvolvimento

científico e tecnológico.

Date: 02/06/2018

II ERRADO - Possuem natureza jurídica de AUTARQUIA e não de EMPRESA PÚBLICA. (parágrafo único do artigo 1º)

III ERRADO - Ministram educação em nível MÉDIO e SUPERIOR apenas. (incisos I e VI do art. 7º)

Date: 02/06/2018

Ela é uma Autarquia e não uma EP;

Ministram educação apenas em nível médio e superior.

Date: 02/06/2018

Gente, esse tipo de questão mesmo você não sabendo a fundo sobre o tema, com uma noção de direito administrativo e de mundo você acertaria facilmente a questão. Lembre-se, você não precisa ser fodão pra passar e, se acertar por simples sorte, bom já valeu a pena, pois o que importa é entrar e pronto. Continuem com força, Garra e Dedicação insana. Sua hora chegará com a máxima certeza que 2+2 é 4. Que Deus os abençoe na jornada.

Rumo à aprovação!


Date: 02/06/2018

1ª obrigação do concursando saber: não é empresa, muito menos pública

2ª obrigação de saber: é autarquia

Assim, dá pra eliminar as alternativas: c), d) e e)

Verbo no modo indicativo. Desconfie, pois o verbo "MINISTRAR" vem no infinitivo. Daí, dá pra identificar que existem dois níveis: básico e superior. "fundamental" é uma divisão do nível básico.

Date: 02/06/2018

Corrigindo

II - possuem natureza jurídica de autarquia, detentoras de autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar.

INSTITUIÇÃO PÚBLICA-ESTATAL dotada de determinado grau de autonomia limitada aos objetivos definidos pelo Estado através de políticas públicas vinculados a sua natureza.

Na lei de criação dos institutos federais a questão da autonomia surge explicitamente em relação a sua natureza jurídica de autarquia e à prerrogativa de criação e extinção de cursos e emissão de diplomas. Porém, pode também ser inferida de sua equiparação com as universidades federais naquilo que diz respeito à incidência das disposições que regem a regulação, a avaliação e a supervisão das instituições e dos cursos da educação superior. Aponta igualmente para a possibilidade de autoestruturação, necessária ao exercício da autonomia, o fato da proposta orçamentária anual ser identificada para cada campus e a reitoria, exceto no que diz respeito a pessoal, encargos sociais e benefícios aos servidores.

III - MINISTRAR, Abaixo:

Ministrar educação profissional técnica de nível médio, PRIORITARIAMENTE na forma de cursos integrados, para os concluintes do ENSINO FUNDAMENTAL e para o público da EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA);

Ministrar cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando (1) a capacitação, (2) o aperfeiçoamento, (3) a especialização e (4) a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica (em outras palavras, em todos os setores econômicos);

Ministrar em NÍVEL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR:

a) cursos SUPERIORES DE TECNOLOGIA visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia;

b) cursos de LICENCIATURA, bem como programas especiais de formação pedagógica, com vistas na formação de professores para a educação básica, sobretudo nas áreas de ciências e matemática, e para a educação profissional;

c) cursos de BACHARELADO E ENGENHARIA, visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia e áreas do conhecimento;

d) cursos de PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DE APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO, visando à formação de especialistas nas diferentes áreas do conhecimento; e

e) cursos de PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DE MESTRADO E DOUTORADO, que contribuam para promover o estabelecimento de bases sólidas em educação, ciência e tecnologia, com vistas no processo de geração e inovação tecnológica.


Date: 02/06/2018

Art. 7º Observadas as finalidades e características definidas no art. 6º desta Lei, são objetivos dos Institutos Federais:

II - ministrar cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica;

Gonçalves (1998), em sua obra “Como classificar e ordenar documentos de arquivos”, elenca os vários elementos característicos comuns dos documentos. O material sobre o qual as informações são registradas é definido como ____________________. A _______________________ é a configuração que assume um documento de acordo com a disposição e a natureza das informa- ções nele contidas. A configuração que assume uma espécie documental de acordo com a atividade que a gerou representa o __________________. Os termos que preenchem, respectivamente, as lacunas são:

Date: 02/06/2018

Suporte - é o meio pelo qual a informação está registrada. - Ex: cd, dvd, fotografias, etc.

Espécie - aspecto formal do documento de acordo com a disposição e a natureza das informações nele contido. - Ex: ofício, memorando, certidão, declaração, etc.

Tipo - função ou atividade que o documento exerce. Ex: contrato, alvará, relatórios, etc.

Para efeitos da Lei Nº 12.527, de 18 de Novembro de 2011, considera-se

Documento como

Unidade de ______________________________, qualquer que seja

o ____________________ ou ___________________________.

Os termos que preenchem, respectivamente, as lacunas são:

Date: 02/06/2018

Art. 4º, II da Lei Federal 12.527/11:

documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

Date: 02/06/2018

documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

Date: 02/06/2018

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:

I - informação: dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato;

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

III - informação sigilosa: aquela submetida temporariamente à restrição de acesso público em razão de sua imprescindibilidade para a segurança da sociedade e do Estado;

IV - informação pessoal: aquela relacionada à pessoa natural identificada ou identificável;

V - tratamento da informação: conjunto de ações referentes à produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transporte, transmissão, distribuição, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação, destinação ou controle da informação;

VI - disponibilidade: qualidade da informação que pode ser conhecida e utilizada por indivíduos, equipamentos ou sistemas autorizados;

VII - autenticidade: qualidade da informação que tenha sido produzida, expedida, recebida ou modificada por determinado indivíduo, equipamento ou sistema;

VIII - integridade: qualidade da informação não modificada, inclusive quanto à origem, trânsito e destino;

IX - primariedade: qualidade da informação coletada na fonte, com o máximo de detalhamento possível, sem modificações.

Date: 02/06/2018

Das Disposições Gerais:

Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:

I - informação: dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato;

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

III - informação sigilosa: aquela submetida temporariamente à restrição de acesso público em razão de sua imprescindibilidade para a segurança da sociedade e do Estado;

IV - informação pessoal: aquela relacionada à pessoa natural identificada ou identificável;

V - tratamento da informação: conjunto de ações referentes à produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transporte, transmissão, distribuição, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação, destinação ou controle da informação;

VI - disponibilidade: qualidade da informação que pode ser conhecida e utilizada por indivíduos, equipamentos ou sistemas autorizados;

VII - autenticidade: qualidade da informação que tenha sido produzida, expedida, recebida ou modificada por determinado indivíduo, equipamento ou sistema;

VIII - integridade: qualidade da informação não modificada, inclusive quanto à origem, trânsito e destino;

IX - primariedade: qualidade da informação coletada na fonte, com o máximo de detalhamento possível, sem modificações.

Date: 02/06/2018

LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.

Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

GABARITO: alternativa "E"

Date: 02/06/2018

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

Date: 02/06/2018

Lei de Acesso à Informação - LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.

"Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:

I - informação: dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de

conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato;

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;"

Date: 02/06/2018

Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:

I - informação: dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato;

II - documento: unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte ou formato;

III - informação sigilosa: aquela submetida temporariamente à restrição de acesso público em razão de sua imprescindibilidade para a segurança da sociedade e do Estado;

IV - informação pessoal: aquela relacionada à pessoa natural identificada ou identificável;

V - tratamento da informação: conjunto de ações referentes à produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transporte, transmissão, distribuição, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação, destinação ou controle da informação;

VI - disponibilidade: qualidade da informação que pode ser conhecida e utilizada por indivíduos, equipamentos ou sistemas autorizados;

VII - autenticidade: qualidade da informação que tenha sido produzida, expedida, recebida ou modificada por determinado indivíduo, equipamento ou sistema;

VIII - integridade: qualidade da informação não modificada, inclusive quanto à origem, trânsito e destino;

IX - primariedade: qualidade da informação coletada na fonte, com o máximo de detalhamento possível, sem modificações.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014...

Os cinco setores em que Paes (2008) distribuiu as atividades dos arquivos correntes são:

Date: 02/06/2018

Administração e Organização De Arquivos Correntes

a)Protocolo – que inclui como setores de recebimento e classificação: Recebimento e Classificação - Receber, separar e distribuir as correspondências oficiais das particulares; Apor carimbo de protocolo – numerador/datador, sempre que possível, no canto superior direito do documento; anotar abaixo do número e da data a primeira distribuição e o código de assunto, se for o caso; elaborar o resumo do assunto a ser lançado na ficha de protocolo; encaminhar os papéis ao setor de registro e movimentação etc.; Registro e Movimentação - Preparar ficha de protocolo, em duas vias anotando: número de protocolo, data de entrada, procedência, espécie, número e data do documento, código e resumo do assunto, primeira distribuição; anexar a segunda via da ficha ao documento encaminhando-o ao seu destinatário; arquivar as fichas do protocolo em ordem numérica; encaminhar os documentos aos respectivos destinos, de acordo com despacho de autoridade competente; etc.

b) Expedição –como rotina receber a correspondência enviada do protocolo; verificar se não faltam folhas ou anexos; numerar e completar a data, no original e nas cópias; separa original das cópias; expedir o original, com os anexos se for o caso, malotes ou em mãos; Encaminhar as cópias, acompanhadas dos antecedentes que lhes deram origem, ao setor de arquivo.

c) Arquivar – a função primordial dos arquivos é disponibilizar as informações contidas nos documentos para tomada de decisão e comprovação de direitos e obrigações.

d) Empréstimo e consulta – sem dúvida é uma das atividades nobre dos arquivos, pois todo o trabalho arquivístico, do recebimento ao arquivamento, é desenvolvido visando à recuperação rápida e completa da informação. De modo geral, os documentos só podem ser consultados ou cedidos, por empréstimo, aos órgãos que os receberam ou produziram, aos órgãos encarregados das atividades a que se referem os documentos e às autoridades superiores, na mesma linha hierárquica.

e) Destinação – Há documentos que freqüentemente são usados como referência, há outros aos quais se faz referencia com menos freqüência ou quase não são usados e ainda aqueles que, após a conclusão do assunto, não sofrem nenhum uso ou referência. Devido a essas diferenças relativas ao valor e à freqüência de uso dos documentos, a avaliação, a seleção, a eliminação de documentos devem ser cuidadosamente estudadas, planejadas e implantadas.

A respeito das funções do Microsoft Excel, analise as afirmativas

abaixo e marque (V ) para verdadeiro ou (F ) para falso.

( ) A função CONT.VALORES conta o número de células em um

intervalo que contém somente valores numéricos.

( ) A função CONT.SE conta o número de células de um intervalo

que atende a um critério especificado.

( ) A função MÉDIASE encontra a média aritmética de valores

contidos em um intervalo de células que atende a um critério

específico.

A sequência correta é

Date: 02/06/2018

A função CONT.VALORES conta o número de células em um intervalo que contém somente valores numéricos qualquer tipo de informações, incluindo valores de erros e texto vazio, que contenham apenas espaço(" ").

A função CONT.SE conta o número de células de um intervalo que atende a um critério especificado.

A função MÉDIASE encontra a média aritmética de valores contidos em um intervalo de células que atende a um critério específico.

Date: 02/06/2018

A função CONT.VALORES conta o número de células que possui algum conteudo.

A função CONT.SE conta o número de células de um intervalo que atende a um critério especificado.

A função MÉDIASE encontra a média aritmética de valores contidos em um intervalo de células que atende a um critério específico.

Date: 02/06/2018

Gabarito letra a):

Descrição

A função CONT.VALORES conta o número de células que não estão vazias em um intervalo.

Fonte:https://support.office.com/pt-br/article/fun%C3%A7%C3%A3o-cont-valores-7dc98875-d5c1-46f1-9a82-53f3219e2509

DescriçãA função CONT.VALORES conta o número de células que não estão vazias em um intervalo.

Seguindo a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos

de Arquivo Relativos às Atividades-Fim das Instituições Federais

de Ensino Superior – IFES, relacione a destinação final ao

assunto/tipo de documento:

(1) Eliminação

(2) Guarda permanente

( ) Formatura

( ) Calendário acadêmico

( ) Publicação. Divulgação

( ) Reformulação curricular

( ) Verificação de autenticidade

( ) Matrícula semestral em disciplinas

A sequência correta é

Date: 02/06/2018

Questão sem nexo. Mal elaborada: a maioria dos itens mencionados são ATOS e não assuntos ou tipos de documentos. Em um ato específico podem ter documentos a serem eliminados e outros arquivados permanentemente.

???????????????????????????????????

Date: 02/06/2018

A sequência correta é letra B.

(1) Eliminação

(2) Guarda permanente

(1) Formatura

(2) Calendário acadêmico

(2) Publicação. Divulgação

(2) Reformulação curricular

(1) Verificação de autenticidade

(1) Matrícula semestral em disciplinas

Realmente questão sem nexo?????

Date: 02/06/2018

A questão é específica para o concurso das IFs.

E os assuntos/tipos documentais estão muito genéricos.

Date: 02/06/2018

Se for assim, o IF tem que disponibilizar algum tipo de documento para que as pessoas estudem, isso é regimento interno, ninguém tem como saber o que eles eliminam ou guardam.