O Questões Grátis disponibiliza mais de 600 MIL questões, de forma GRATUITA e SEM LIMITAÇÕES.

Instale o App Questões Grátis e estude melhor! No App você pode salvar os filtros, gerar estatísticas, e muito mais. Os botões para baixar o App se encontram no topo do site.

Logo abaixo você encontra milhares de questões. Para refinar sua busca, aplique os filtros desejados (buscar por disciplina, banca, cargo, ano...). Caso deseje excluir os filtros, clique em “Limpar Filtro”.

Para estudar, aplique os FILTROS abaixo:

Leia o texto abaixo e responda às questões de 1 a 7.

Pra lá de Marrakesch

(Mário Prata)

Na noite anterior havia trabalhado feito um mouro.

Acordei e estava um verdadeiro calor senegalês. Depois de

tomar uma boa duma ducha escocesa, quase dormitar num

banho turco, fazer a minha ginástica sueca, passar a minha água

de colônia, vesti meu terno azul turquesa de casimira inglesa (que

fora um presente de grego de uma amante argentina), cuidei do

meu pastor alemão, do pequinês, do dinamarquês, do meu gato

siamês e, com uma pontualidade britânica, deslizando sobre o

tapete persa, sai para fazer um negócio da china.

Logo voltei. Deveria ter saído com a minha refrescante

bermuda, minhas sandálias havaianas e o autêntico chapéu

panamá. Evitaria o calor, aquela tortura chinesa que só um bom

sorvete de creme holandês refrescaria.

Ou teria sido melhor o terno príncipe de Gales, para evitar

uma gripe espanhola ou uma febre asiática? A polaca gostaria

mais.

Foi bom ter voltado. Meu periquito australiano e o meu

canário belga, famintos, pediam semente de maconha

colombiana. E minha galinha de angola, o resto da linguiça

calabresa, resquício de um sanduíche americano com um pouco

de salada russa e molho inglês, cortado com o meu afiado

canivete suíço. Hambúrguer, nem pensar, que é para inglês ver.

Acabei me atrasando, chupei uma mexerica (ou era uma

tangerina ou, ainda, uma bergamota?). Brinquei de sombra

chinesa e quase dormi.

Para acordar, ligo a televisão, vejo um pouco do esporte

bretão, descasco uma lima da pérsia, fico em dúvida entre o pão

sírio e o pão francês, conto até dez em algarismos romanos e

depois em algarismos arábicos e resolvo fazer um filé à

parmegiana. Abro a janela veneziana, preparo um uísque

paraguaio e ali, numa autêntica noite americana, tal e qual um

tigre asiático, dou um sorriso amarelo, brinco com o porquinho da

índia de porcelana inglesa e me sirvo à francesa.

Depois, balanço na poltrona de cana da índia com a cuba

libre. Mas, como o pato vai ser à Califórnia, com pimenta

malagueta ou pimenta-do-reino, misturado com arroz marroquino

(ou à grega?), preparo à milanesa e tudo bem. Vai cravo da

índia? Será que o melhor mesmo não seria um filé à cubana, para

depois enfrentar uma montanha russa, arrotando couve-debruxelas?

Com a chave inglesa abro a porta emperrada, levo no bolso

o meu soco igualmente inglês e saio ao encontro da minha

cidade, do meu Brasil paraguaio.

Coisa de primeiro mundo.

https://marioprata.net/cronicas/pra-la-de-marrakesch - acesso em 10/01/2017

Observe o trecho abaixo: “...e saio ao encontro da minha cidade, do meu Brasil paraguaio.” Ao utilizar os termos destacados, o autor quer dizer que o Brasil é um país

Date: 03/06/2018

B) Falsificado.

Date: 03/06/2018

Brasil paraguaio: O Paraguai é conhecido por ser o paraíso dos produtos falsificados, ou seja, imitação de originais. Durante o texto o autor destaca várias expressões e palavras que "importamos" para o nosso dialeto, "falsificando" nossa Língua Portuguesa. Logo, letra B.

Leia o texto abaixo e responda às questões de 1 a 7.

Pra lá de Marrakesch

(Mário Prata)

Na noite anterior havia trabalhado feito um mouro.

Acordei e estava um verdadeiro calor senegalês. Depois de

tomar uma boa duma ducha escocesa, quase dormitar num

banho turco, fazer a minha ginástica sueca, passar a minha água

de colônia, vesti meu terno azul turquesa de casimira inglesa (que

fora um presente de grego de uma amante argentina), cuidei do

meu pastor alemão, do pequinês, do dinamarquês, do meu gato

siamês e, com uma pontualidade britânica, deslizando sobre o

tapete persa, sai para fazer um negócio da china.

Logo voltei. Deveria ter saído com a minha refrescante

bermuda, minhas sandálias havaianas e o autêntico chapéu

panamá. Evitaria o calor, aquela tortura chinesa que só um bom

sorvete de creme holandês refrescaria.

Ou teria sido melhor o terno príncipe de Gales, para evitar

uma gripe espanhola ou uma febre asiática? A polaca gostaria

mais.

Foi bom ter voltado. Meu periquito australiano e o meu

canário belga, famintos, pediam semente de maconha

colombiana. E minha galinha de angola, o resto da linguiça

calabresa, resquício de um sanduíche americano com um pouco

de salada russa e molho inglês, cortado com o meu afiado

canivete suíço. Hambúrguer, nem pensar, que é para inglês ver.

Acabei me atrasando, chupei uma mexerica (ou era uma

tangerina ou, ainda, uma bergamota?). Brinquei de sombra

chinesa e quase dormi.

Para acordar, ligo a televisão, vejo um pouco do esporte

bretão, descasco uma lima da pérsia, fico em dúvida entre o pão

sírio e o pão francês, conto até dez em algarismos romanos e

depois em algarismos arábicos e resolvo fazer um filé à

parmegiana. Abro a janela veneziana, preparo um uísque

paraguaio e ali, numa autêntica noite americana, tal e qual um

tigre asiático, dou um sorriso amarelo, brinco com o porquinho da

índia de porcelana inglesa e me sirvo à francesa.

Depois, balanço na poltrona de cana da índia com a cuba

libre. Mas, como o pato vai ser à Califórnia, com pimenta

malagueta ou pimenta-do-reino, misturado com arroz marroquino

(ou à grega?), preparo à milanesa e tudo bem. Vai cravo da

índia? Será que o melhor mesmo não seria um filé à cubana, para

depois enfrentar uma montanha russa, arrotando couve-debruxelas?

Com a chave inglesa abro a porta emperrada, levo no bolso

o meu soco igualmente inglês e saio ao encontro da minha

cidade, do meu Brasil paraguaio.

Coisa de primeiro mundo.

https://marioprata.net/cronicas/pra-la-de-marrakesch - acesso em 10/01/2017

A partir da leitura da citação abaixo, observe a palavra em destaque e assinale a alternativa que apresenta seu sinônimo, de acordo com o contexto. “Deveria ter saído com a minha refrescante bermuda, minhas sandálias havaianas e o autêntico chapéu panamá.”

Date: 03/06/2018

C) Original

O pronome de tratamento Vossa Excelência deve ser empregado oficialmente para se dirigir, entre outros,

Date: 03/06/2018

Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

a) do Poder Executivo: Presidente da República; Vice Presidente da República; Ministros de Estado; Governadores e Vice Governadores de Estado e do Distrito Federal; Oficiais Generais das Forças Armadas; Embaixadores; Secretários Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial; Secretários de Estado dos Governos Estaduais; Prefeitos Municipais.

b) do Poder Legislativo: Deputados Federais e Senadores; Ministro do Tribunal de Contas da União; Deputados Estaduais e Distritais; Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.

c) do Poder Judiciário: Ministros dos Tribunais Superiores; Membros de Tribunais; Juízes; Auditores da Justiça Militar.

Date: 03/06/2018

2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento

Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obedece a secular tradição. São de uso consagrado:

Vossa Excelência, para as seguintes autoridades:

a) do Poder Executivo;
Presidente da República;
Vice-Presidente da República;
Ministros de Estado;
Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Federal;
Oficiais-Generais das Forças Armadas;
Embaixadores;
Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de cargos de natureza especial;
Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
Prefeitos Municipais.
b) do Poder Legislativo:
Deputados Federais e Senadores;
Ministro do Tribunal de Contas da União;
Deputados Estaduais e Distritais;
Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
c) do Poder Judiciário:
Ministros dos Tribunais Superiores;
Membros de Tribunais;
Juízes;
Auditores da Justiça Militar.

Gabarito: Letra "B"

Em um terminal de ônibus, há duas empresas que prestam serviço de transporte. Os ônibus da empresa A partem a cada 30 minutos. Já os ônibus da empresa B partem a cada 40 minutos. Às 20:30, os ônibus das duas empresas saem juntos. O próximo horário que os ônibus das duas empresas sairão juntos novamente é

Date: 03/06/2018

MMC entre 30 e 40 = 120, logo se encontram depois de 2 horas .: 22:30

Date: 03/06/2018

30 – 40 / 2

15 – 20 / 2

15 – 10 / 2

15 – 5 / 3

5 – 5 / 5 )

1 1

= 120 ( 2 HORAS

logo se encontram depois de 2 horas .: 22:30

Na entrada de uma casa de shows, foram instaladas 16 catracas para controle de acesso dos frequentadores. Os organizadores calculam que em cada catraca passam 6 pessoas por minuto. Considerando que não tem nenhum contratempo na entrada da casa de shows e que em nenhum momento essa quantidade de pessoas aumenta ou diminui, para entrar 8.640 pessoas nessa casa de shows, demora

Um médico atende pacientes em seu consultório das 8:00 às 18:00, interrompendo os atendimentos das 12:00 às 14:00 para almoço e descanso. Na agenda dele, a recepcionista verificou que são designados 20 minutos por paciente. Com base nesses dados, assinale a alternativa que apresenta o número máximo de pacientes que esse médico consegue atender por dia, sem trabalhar mais horas do que a estipulada.

Date: 03/06/2018

10 h de atendimento - 2 h de intervalo = 8 h de trabalho

8 h x 3 pacientes/ hora = 24

Date: 03/06/2018

10 h de atendimento - 2 h de intervalo = 8 h de trabalho

8 h x 60min = 480 min

20/min por paciente

480min/ 20min = 24 min

Leia o texto abaixo e responda às questões de 1 a 7.

Pra lá de Marrakesch

(Mário Prata)

Na noite anterior havia trabalhado feito um mouro.

Acordei e estava um verdadeiro calor senegalês. Depois de

tomar uma boa duma ducha escocesa, quase dormitar num

banho turco, fazer a minha ginástica sueca, passar a minha água

de colônia, vesti meu terno azul turquesa de casimira inglesa (que

fora um presente de grego de uma amante argentina), cuidei do

meu pastor alemão, do pequinês, do dinamarquês, do meu gato

siamês e, com uma pontualidade britânica, deslizando sobre o

tapete persa, sai para fazer um negócio da china.

Logo voltei. Deveria ter saído com a minha refrescante

bermuda, minhas sandálias havaianas e o autêntico chapéu

panamá. Evitaria o calor, aquela tortura chinesa que só um bom

sorvete de creme holandês refrescaria.

Ou teria sido melhor o terno príncipe de Gales, para evitar

uma gripe espanhola ou uma febre asiática? A polaca gostaria

mais.

Foi bom ter voltado. Meu periquito australiano e o meu

canário belga, famintos, pediam semente de maconha

colombiana. E minha galinha de angola, o resto da linguiça

calabresa, resquício de um sanduíche americano com um pouco

de salada russa e molho inglês, cortado com o meu afiado

canivete suíço. Hambúrguer, nem pensar, que é para inglês ver.

Acabei me atrasando, chupei uma mexerica (ou era uma

tangerina ou, ainda, uma bergamota?). Brinquei de sombra

chinesa e quase dormi.

Para acordar, ligo a televisão, vejo um pouco do esporte

bretão, descasco uma lima da pérsia, fico em dúvida entre o pão

sírio e o pão francês, conto até dez em algarismos romanos e

depois em algarismos arábicos e resolvo fazer um filé à

parmegiana. Abro a janela veneziana, preparo um uísque

paraguaio e ali, numa autêntica noite americana, tal e qual um

tigre asiático, dou um sorriso amarelo, brinco com o porquinho da

índia de porcelana inglesa e me sirvo à francesa.

Depois, balanço na poltrona de cana da índia com a cuba

libre. Mas, como o pato vai ser à Califórnia, com pimenta

malagueta ou pimenta-do-reino, misturado com arroz marroquino

(ou à grega?), preparo à milanesa e tudo bem. Vai cravo da

índia? Será que o melhor mesmo não seria um filé à cubana, para

depois enfrentar uma montanha russa, arrotando couve-debruxelas?

Com a chave inglesa abro a porta emperrada, levo no bolso

o meu soco igualmente inglês e saio ao encontro da minha

cidade, do meu Brasil paraguaio.

Coisa de primeiro mundo.

https://marioprata.net/cronicas/pra-la-de-marrakesch - acesso em 10/01/2017

O termo “Pra lá de Marrakesch”, que dá título ao texto, nos remete a alguém que se sente

Date: 03/06/2018

D) Esgotado.

Date: 03/06/2018

Questão tosca.

Animado e Feliz são muito similares.

Passível de anulação.

Marquei Animado e errei.

Date: 03/06/2018

"Pra lá de Marrakesch" é uma expressão popular. Aliás, todo o texto é baseado em chavões. Ainda que não fosse possível compreender o teor da expressão, bastava olhar as opções: encantado, animado e feliz, são termos próximos de significado. O único termo diferente é o que consta na letra D. Além disso, bastava lembrar: "Fulano está pra lá de Marrakesch" = "Fulano está muito mal, cansado, decepcionado..." etc.

Considera-se arquivo

Date: 03/06/2018

Gabarito: C

LEI No 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991.
Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 2º - Consideram-se arquivos, para os fins desta Lei, os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos, instituições de caráter público e entidades privadas, em decorrência do exercício de atividades específicas, bem como por pessoa física, qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos.

Date: 03/06/2018

a) Biblioteca

b) Museu

c) Arquivo

d) Não sei kkk Imaginei uma livraria.

Em uma revista, a página de classificados possui todos os anúncios com tamanho padrão de 3 cm por 6 cm. Se a área útil total para colocação dos anúncios é de 18 cm por 27 cm, a quantidade de anúncios nessa página é de

Date: 03/06/2018

Área de cada anuncio = 3.6=18

Área total de anúncios = 18.27 = 486

Total de anúncios = área total de anúncios/área de cada anúncio = 486/18 = 27

Uma receita de massa de panquecas utiliza 2 ovos, 180 gramas de farinha de trigo e 250 mililitros de leite. Essa receita é feita para servir 3 pessoas. Um almoço de família contará com 15 pessoas que comerão panquecas. Para esse almoço, a quantidade de ovos, farinha de trigo e leite usada na receita deverá ser:

Date: 03/06/2018

d) 10 ovos, 0,9 kg de farinha de trigo e 1,25 L de leite.

Basta multiplicar os valores por 5.